Use bem o seu tempo e o seu potencial: trabalhe melhor, não mais

Entenda como a sua relação com o trabalho afeta sua saúde e sua felicidade. E descubra dicas simples para ser eficiente e produtivo e ainda manter a qualidade de vida

Por 3 de janeiro de 2018Inspiração

 

Você sente que, quanto mais trabalha, mais tarefas tem a fazer? Continua conectado mesmo depois de deixar a empresa? Tem calafrios só de pensar na segunda-feira? Talvez você esteja trabalhando demais… A jornada de trabalho tem relação direta com a qualidade do que se faz e a qualidade de vida que se leva.

No passado, a rotina de um profissional consistia em chegar à empresa, bater o cartão, trabalhar, registrar a saída e, dali em diante, voltar à vida pessoal. Acontece que, com as recentes transformações nos modos de comunicação, que facilitaram a conexão em tempo real entre as pessoas, ficamos hiperconectados – inclusive com o trabalho.

Para o professor do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (Unb), Mário César Ferreira, o efeito do uso intensivo de tecnologias, como o smartphone e o laptop, é a expressão mais atual da intensificação do trabalho. Afinal, há profissionais que, muitas vezes, tem que lidar com até mais de um aparelho, permanecendo o tempo todo conectado, mesmo fora de sua jornada oficial.

Novos modelos

Pensando em como enfrentar essa nova realidade, o governo francês, por exemplo, incluiu em sua reforma trabalhista – aprovada em meio a polêmicas no ano passado – o chamado direito à desconexão. A lei determina que empresas com mais de 50 funcionários devem negociar com os colaboradores as políticas de uso dos meios digitais para o trabalho fora do horário do expediente. Caso não haja acordo, o empregador terá que disponibilizar um regulamento sobre o assunto.

 “Nós precisamos ter uma vida equilibrada nas várias esferas. A vida social, em família e com os amigos, e a vida no contexto do trabalho. Se houver um desequilíbrio nessas esferas, ou entre elas, é a saúde que está em risco, é a felicidade que está em risco, pontua Ferreira.

Segundo a edição mais recente do Anuário do Sistema Público de Emprego e Renda do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com dados da Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho de 2005 a 2015, os afastamentos por problemas de saúde cresceram 25% em dez anos.

Para o professor, há dois cenários importantes quando falamos sobre jornada de trabalho e seu impacto na qualidade de vida dos profissionais:

  1. Jornada de trabalho prolongada

O primeiro cenário diz respeito ao tempo propriamente dito. “As pesquisas e estudos mostram que quanto mais tempo trabalhamos, maior a tendência de ter impactos negativos. Porque isso significa, em geral, sobrecarga e intensificação de trabalho”, diz.

Ferreira explica que, se não vier acompanhado de períodos de descanso, repouso e férias, o trabalho pode, sim, colocar em risco a saúde. Além do risco de adoecimento – que pode se manifestar tanto na forma de mal-estar ou indisposições mais frequentes como em condições mais graves, como problemas cardíacos e Síndrome de Burnout –, jornadas muito longas também aumentam as chances de ocorrência de acidentes de trabalho.

  1. Aumento da carga de trabalho

O outro aspecto diz respeito a você ter uma jornada normal de trabalho, de seis ou de oito horas, mas com enorme intensificação. Ou seja, ela tem uma duração menor, mas um grau de exigência muito forte, com aumento na carga de tarefas, que é característico da nossa época”, pontua o professor. Essa intensificação do trabalho é provocada principalmente pelo uso excessivo da tecnologia nos dias atuais, provocando esgotamento físico e mental dos profissionais.

Mas o que fazer para mudar?

Para Marcelo Alves dos Santos, psicólogo e professor da Universidade Mackenzie, em ambos os casos, seja por uma jornada extensa ou intensificação das horas trabalhadas, há em longo prazo um desgaste emocional e mental do profissional. É importante perceber que essa sensação de urgência que todos nós temos hoje é uma criação da nossa cabeça. Há algumas coisas que realmente são urgentes, mas não todas. Então, se você se desconectar para ter um fim de semana diferente, você não vai falir a empresa, não vai deixar seu chefe mais irritado. Você também merece fazer isso, diz. Ele dá algumas dicas para manter a qualidade do seu tempo no trabalho e fora dele:

  • Esforce-se para se desligar dos assuntos de trabalho após o expediente.

Para isso, mantenha atividades que não estejam vinculadas ao seu emprego e vida profissional. Faça um passeio, veja aquele filme que você queria, estude algum assunto que lhe interesse… Mas cursos de idiomas ou outros que sejam investimentos na carreira não entram nessa categoria, porque ainda mantêm sua atenção na esfera profissional.

  • Coloque, sempre que possível, limites ao uso do celular para questões de trabalho fora do expediente.

Se você tem mais de um aparelho, deixe o corporativo de lado quando não estiver trabalhando. Se tem apenas um, use o bom senso: nem sempre aquela mensagem é realmente urgente e precisa ser respondida na hora.

Dica: neste caso, também vale manter a etiqueta ao mandar mensagens fora de hora aos colegas. Avalie se ela é mesmo necessária e não pode ser deixada para o horário de expediente.

  • Não coloque sua saúde mental em segundo plano, fique atento aos sinais e não ultrapasse seus limites.

Quando você compromete sua saúde, seja física ou mental, isso vai repercutir em todos os campos da sua vida e, inevitavelmente, no do trabalho também”, aponta Santos. A sua produtividade, a qualidade do que você faz, o rendimento e seu envolvimento com as pessoas acabam comprometidos.

  • Pergunte-se se você se encaixa na cultura organizacional da empresa.

Santos lembra que, de forma justificada, há um medo constante do desemprego, o que, muitas vezes, leva o profissional a analisar seu emprego apenas pelo aspecto financeiro. Mas lembre-se de pensar um pouco sobre a cultura do lugar: será  que ela está lhe fazendo bem?

  • Faça atividades físicas regularmente.

​Afinal, elas são essenciais para uma vida saudável de modo geral.

  • Tente se esforçar para estar presente no momento.

Não adianta estar ali, no momento de lazer, mas falando com alguém em outro lugar pela internet. Não adianta estar ali preocupado com o trabalho”, explica Santos.

  • Saiba negociar e dizer não.

Se seu chefe lhe pede alguma tarefa que você sabe que não pode ser entregue ainda naquele dia, por exemplo, converse com ele e explique a situação. Negocie suas entregas e atribuições, evitando ansiedade e ganhando a possibilidade de fazer seu trabalho com mais qualidade.

  • Tenha consciência das suas dificuldades e dos seus limites.

As pessoas muitas vezes têm medo de desapontar. Hoje se busca excelência em tudo que se faz, mas todos nós temos limites”, reflete o professor da Universidade Mackenzie.

  • Perceba que há tempo para tudo. Reserve momentos para o lazer e outros para o descanso.

 

E nunca se esqueça disso. 😉

Deixe um comentário